© 2016 por Zaionara Gomes Blog

contato:

Se inscreva na minha lista e receba novidades e tenha acesso aos exercícios dos  vídeos com atividades.

A Síndrome do Pânico

19.06.2016

 

Olá! Hoje o assunto é aquele sensação de medo e terror, palpitações, dores no peito, asfixia e confusão mental. Hoje nós vamos falar sobre a Síndrome do Pânico.

 

Eu costumo dizer que o Pânico é muitos casos é uma intensificação dos sintomas de Ansiedade, até porque o pânico envolve breves episódios de ansiedade só que muito intensos. Também podemos dizer que é um tipo de resposta ao Medo. Os sintomas de Pânico duram alguns minutos e são rápidos, surgem do nada, podendo inclusive ocorrer a noite, durante do sono (episódio conhecido como ataques de pânico noturno). Os episódios de pânico, por acontecerem de forma imprevisível, acabam por reforçar os sintomas ansiosos, pois a pessoa pode ficar ansiosa e com medo de ter um episódio de pânico, o que pode geralmente acarretar um episódio de pânico.

 

 

Costumo dizer que o medo do ataque do pânico acaba criando o próprio pânico. É como se fosse uma “bola de neve”. Muitas pessoas acabam por evitar o convívio social com medo de ter um episódio em público.

 

 

E quais são os principais sintomas que você está tendo um episódio de Pânico? Já falei alguns acima, mas vamos repetir e complementar:

  • Sensação de medo e terror

  • Palpitações cardíacas

  • Dores no peito

  • Sensação de asfixia, sufocamento

  • Tontura

  • Pensamentos desconexos, mente confusa

  • Formigamento nas extremidades (mãos e pés)

  • Fraqueza

  • Sudorese excessiva

  • Calafrios e ondas de calor.

 

Muitas pessoas tem esses sintomas e acreditam que estão tendo um ataque cardíaco, vão para o Hospital, fazem todos os exames necessários e descobrem que são saudáveis do coração e que o problema real está em sua mente e em suas emoções.

 

Mas o que causa a Síndrome do Pânico? Como disse anteriormente, a síndrome do Pânico em muitos casos é uma intensificação dos sintomas da ansiedade, é um agravamento. Então, nós que somos ansiosos temos que estar sempre observando nosso estado mental para evitar o Pânico. Até porque os episódios começam e terminam de forma inesperada. Pessoas em estado de Estresse (alto volume de tarefas no trabalho ou no dia a dia, pressões, perdas, conflitos emocionais, etc.) podem vivenciar episódios de pânico. Também pessoas que possuem algumas Fobias¹ (como medo de barata, lugares altos, ver sangue, etc.), podem também experimentar um episódio de Pânico ao se deparar com o objeto de sua Fobia, sem necessariamente ter experimentado episódios de ansiedade anteriormente.

 

E qual o tratamento? Atualmente a medicina possui um vasto arsenal de medicamentos que auxiliam o tratamento, reduzindo muito a frequência dos episódios de pânico. Contudo, é notado que somente o uso de medicamentos não trata a causa dos episódios, fazendo-se necessário também o acompanhamento psicológico. Existem também técnicas de relaxamento e Mindfulness utilizadas pela Terapia Cognitiva Comportamental, entre outras técnicas que auxiliam muito na melhoria dos sintomas.

 

Então, se você leu este breve artigo se identificou com boa parte dos sintomas, procure ajuda! Vá a um Psicólogo ou Medico Psiquiatra em sua região para obter um diagnostico preciso. A Síndrome do Pânico tem tratamento e em muitos casos, a pessoa consegue se libertar dos episódios. Buscar ajuda é o maior sinal de coragem que podemos apresentar.

 

Um grande abraço!

 

Zaionara Gomes - CRP 1090/ES

 


¹ - Fobia : medo ou ansiedade acentuados acerca de um objeto ou situação.

 

 

Bibliografia:

  • DSM – 5 – Manual Diagnostico e estatístico de Transtornos Mentais, 5ª Edição, Editora Artmed, 2014.

  • Holmes, S. David – Psicologia dos Transtornos Mentais, 2ª Edição – Ed. Artmed, 1997 -2007 reimpressão

 

Please reload