© 2016 por Zaionara Gomes Blog

contato:

Se inscreva na minha lista e receba novidades e tenha acesso aos exercícios dos  vídeos com atividades.

Atividade Física e o Bem Estar Emocional

29.05.2016

 

Olá tudo bem? Antes de começar gostaria de me apresentar, sou o professor  Alen Brandizzi , treinador de corrida e triatlon, gestor da Treine Certo Assessoria Esportiva de Vitória -ES.

 

A Atividade física sempre foi associada indiretamente ao Bem Estar social e emocional das pessoas, desde que a cultura do exercício físico foi implementada por meio dos primeiros achados do Colégio Americano de Medicina e Esporte - ACSM já em 1954  ano de sua criação e nas publicações posteriores através de seu periódico médico na década de 60.

 

Mas, mesmo com uma organização tão empenhada em trazer as informações para a população poucas pesquisas foram eficientes em comprovar a correlação entre a atividade física e o bem estar emocional de uma maneira mais técnica até o ano 2000.

 

De 2000 para cá alguns estudos foram fundo nessa proposta  e buscaram melhores instrumentos bioquímicos para correlacionar a atividade física, definida dentro das “guidelines” como atividade regular de cerca de 30 min diários (5 a 7 vz por semana)  de maneira leve ou intensa, ou somadas os 2 tipos (leve + intenso) e sua correlação direta com o bem estar emocional e a possível influencia nos casos de depressão ou como definidos por eles como MDD (major depressive disorders).

 

Erikson & Gard em 2011 reuniram cerca de 8 estudos sobre esse tema e analisaram o que foi encontrado de 2000 a 2010 e notaram que 7 dos 8 estudos encontraram boa correlação entre a atividade física e a redução da Depressão e a melhora do bem estar emocional e consequente social dos indivíduos.

Muitos desses estudos estavam relacionados com o aumento da capacidade aeróbica como um dos primeiros fatores que visam a essa melhora e através da utilização de atividades básicas como a caminhada e /ou corrida.

 

AAN HET ROT et al em 2009  já tinha  visto correlação entre a atividade física regular e a redução da depressão e ansiedade em pessoas com MDD em seus estudos e material epidemiológico.

 

STRÖLE  também em 2009 correlacionou a atividade física no tratamento de MDD e de distúrbios de ansiedade  e a correlação de diversos estudos de natureza diferente onde  o fator exercício físico entraria como elemento de apoio.

 

Tá e daí ? Isso eu não preciso de autores de diversos tipos para me dizer que a atividade física é boa, já que toda vez que me exercito ou que mantenho um exercício me sinto bem durante um curto espaço de tempo. Essa é a resposta que o leitor do artigo me daria, e realmente está correta.

 

O que venho mostrar aqui é:

 

As evidencias reais de que a atividade física regular  entre 3 a 5 vz por semana com duração de 30 min e com duração semanal total de no mínimo de 2,5 horas, tem se mostrado eficiente no tratamento da depressão, da ansiedade, da redução do pânico e do aumento da sensação de liberdade de um paciente/indivíduo que esteja passando por essas atribuições.

 

O tipo de atividade tem se mostrado irrelevante nesse quesito, pois o que tem sido importante é a prática da atividade física , quer seja caminhada, corrida, ciclismo, musculação , circuito funcional, pilates, zumba, boxe, natação, escalada, trekking, ou simplesmente em frente a seu sofá realizando pequenos agachamentos (levantar e sentar repetidamente).

 

A redução do uso de remédios para doenças crônicas como para a pressão arterial alta, a redução do peso corporal, a melhora da autoestima são efeitos secundários nesse processo, pois muita gente busca primeiro o emagrecimento e a estética como ponto de apoio principal e isso além de ser ineficiente causa ainda mais decepção pois os resultados não são visíveis a curto prazo.

 

Certamente você que passou o olho por esse artigo está enumerando os diversos fatores que lhe fazem ficar deitado(a) numa cama, ou sentado (a)  em frente a TV ou no computador do escritório sob a ótica do “muito trabalho”, “não tenho tempo” e  “eu não consigo”.

 

Me faz lembrar o primeiro Ironman que fiz em 2004 em que muita gente dizia que eu não conseguiria nadar 4km, pedalar 180 km e correr depois disso tudo  42.195m  , eu mesmo no início não acreditava que conseguiria, enumerava motivos de não conseguir , mas ao longo dos dias e semanas de treino, cada passo dado estava na direção correta, mesmo que mais curto, não importava se meu tempo/distancia de treino era ¼ do tempo estimado para um atleta, importava que eu acreditava naquele momento de que eu poderia conseguir, e falo com propriedade de que quando você ultrapassa a linha de chegada de algo dito “impossível” perante os outros,   a sensação é a de que você pode tudo nessa vida.

 

Assim,  não é preciso que você escolha o maior desafio da terra  para te motivar a sair do zero, é necessário apenas que você faça uma escolha hoje, faça uma opção,  “hoje eu quero praticar uma atividade física”, comece com pouco, inicialmente  caminhe 10 min, depois aumente até  30 min a medida dos dias e garanto que terá o efeito sobre sua vida, passará a ter um controle que talvez você tenha perdido, fará a  sua 1a escolha,  que é:  “hoje eu me movo!”

 

Um abraço

 

Alen

Please reload